Entrevista a Paola Nascimento, bibliotecaria en Brasil

Entrevista a Paola Nascimento, bibliotecaria en Brasil

Hoy entrevisto a Paola Nascimento, bibliotecaria en Brasil que nos cuenta su labor profesional y su proyecto Incentive

Entrevista a Paola Nascimento, bibliotecaria en Brasil

1.- Quem é Paola Nascimento e qual é sua profissão? Quem sou eu? Essa é uma pergunta que tenho o costume de refletir todos os dias. Me considero uma pessoa dedicada, esforçada, resiliente, paciente e principalmente curiosa. Gosto de desafios e tentar superar as expectativas geradas sobre mim principalmente na área profissional. Pois a minha rotina diária é lidar com realidades diferentes da minha.

Moro numa ilha de aproximadamente 500mil habitantes chamada Florianópolis, carinhosamente conhecida como Floripa, localizada no sul do Brasil. É uma cidade rica em belezas naturais e possui uma forte cultura local.

Anuncios

Sou formada em Biblioteconomia – Habilitação da Gestão da Informação pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, e pós graduanda em Gestão de Projetos e Programas Sociais pela Universidade Cândido Mendes, área que sou apaixonada.

Atualmente, sou assistente de projetos sócio-culturais voltados para Unidades de Informação na empresa INCENTIVE onde estou há mais de 5 anos. Empresa que atende diversas regiões por todo Brasil.

Anuncios

Sendo assim, meu papel é basicamente fomentar a cultura por meio de projetos viabilizados pela Lei de Incentivo à Cultura do Brasil nos locais que se encontram em vulnerabilidade social ou que de algum modo não tem acesso a cultura.

E saber que mesmo atrás de uma mesa e na frente de um computador, pessoas estão tendo acesso a cultura e entender que faço parte disso. É simplesmente gratificante!

2.- Desde que momento você se sentiu atraído pelo mundo da gestão da informação e dos projetos culturais?
Bom, quando iniciei a minha graduação todos os professores nos incentivavam que o curso de Bibllioteconomia é muito mais do que trabalhar em bibliotecas. Foi a partir desse momento que decidi não querer trabalhar em bibliotecas e saber o que realmente gostaria de fazer.

Anuncios

Lembro que no meu segundo ano de curso, conheci a Lei de Incentivo à Cultura através da Empresa INCENTIVE, onde grande parte dos projetos em que a empresa atuava e ainda atua são voltados para Unidades de Informação, ou seja, centros culturais, bibliotecas, museus, etc. Foi quando decidi o que eu queria fazer.

Anuncios

3.- O que você pode nos dizer sobre o seu projeto InCENTIVE? E o que eles querem alcançar com este projeto?
A INCENTIVE, não é um projeto mas sim uma empresa que contribui com o fomento da cultura em todo Brasil através de projetos culturais.

Aqui no Brasil, existe uma Lei que permite que o governo deixe de receber um percentual dos impostos para que seja aplicado no setor cultural. Exemplo, sou uma pessoa que paga impostos como qualquer outra, e parte desses impostos ao invés de pagar para ao governo, ele pode ser destinado para um projeto cultural, seja local (na minha cidade) ou nacional (em qualquer cidade do Brasil).

Lembrando que essa Lei conhecida como “Lei de Incentivo à Cultura” é válida para pessoas e empresas, porém existem alguns critérios a serem levados em consideração antes de destinar o valor correspondente ao percentual permitido para a área cultural.

Mas como funciona? As instituições elaboram um projeto conforme a Lei 8.313/1991 (Lei de Incentivo à Cultura) e a Instrução Normativa vigente (Norma que rege a Lei), apresentam via um sistema chamado SALIC – Sistema de Apoio as Leis de Incentivo para obter a aprovação.

Após a aprovação, as instituições estarão aptas para ir nos investidores captar recursos.

Através desse projeto, é possível realizar atividades como oficinas de teatro, música, dança, ilustração, literária, contações de história, etc., em diversas localidades do Brasil, sendo que nosso foco é geralmente atender cidades que tenha acesso limitado a cultura.

Anuncios

Um exemplo que gosto de falar nas minhas palestras/oficinas é a Construção de um Centro Cultural localizado num pequeno município chamado Entre Rios do Sul. É uma cidade com aproximadamente 3mil habitantes e que não havia nenhum espaço de fomento a cultura. Pelo contrário, era considerado o 2º município mais violento do estado do Rio Grande do Sul. Porém, cerca de 2 anos após a inauguração (que foi em 2011) desse equipamento cultural, a cidade havia saído das estatísticas como uma das mais violentas.

E tudo isso, foi possível porque a Lei de Incentivo à Cultura permitiu que pessoas tivessem acesso livre, gratuito e de qualidade a cultura, ou seja, é a cultura transformando vidas, ou melhor, uma cidade!

Se tiver interesse em conhecer um pouco mais sobre o trabalho da INCENTIVE é só acessar o site www.incentivedeverdade.com.br, Facebook /incentivedeverdade ou Instagram @incentive_de_verdade. E para conhecer o Centro Cultural de Entre Rios do Sul acesse o site www.centroculturalers.com.br.

4.- Acho que no Brasil eles tratam os projetos culturais com mais cuidado e oferecem ajuda para suprir bibliotecas, etc. O que você poderia nos dizer sobre tudo isso? Bom, ainda tem muito o que melhorar, pois necessitam de cuidados diários e manutenção constante de acervos, materiais, equipamentos e uma equipe qualificada para realizar a gestão desses espaços.

Mesmo sabendo que o poder público costuma oferecer recursos de um modo geral, nem todas as bibliotecas recebem esta ajuda de custo e se recebem o valor geralmente não é suficiente para manter esses espaços, por isso os projetos culturais vem sendo uma forma de complementar essas manutenções recorrentes.

Além disso, os bibliotecários convivem com uma luta diária, tanto pelos seus direitos como profissional quanto ao combate a desinformação. Já que muitas bibliotecas ainda não possui um bibliotecário como gestor do local e municipios que não existem bibliotecas.

Também existe a necessidade de fazer um filtro em relação ao acumulo de informações que são geradas e espalhadas pelo Brasil. Sendo que o país se encontra num contexto político complexo onde o papel do bibliotecário acredito ser de extrema importância na disseminação da informação [verdadeira].

Por fim, como falei antes ainda tem muito o que melhorar e seguimos na luta!

5.- Qual o projeto mais bonito que você encontrou? Você acha que precisa incentivar a leitura desde a infância? Nossa, pergunta difícil! São tantos projetos lindos.. Bom, existe um projeto que foi feito executado por uma bibliotecária chamada Cátia Lindemann, foi um projeto fantástico, se chamava BookTruck – Biblioteca Itinerante. Ele ocorreu no ano passado (2018), onde tinha como objetivo levar o acesso aos livros de forma lúdica e interativa num furgão (automóvel) em locais que se encontravam em alta vulnerabilidade social atendendo a todo tipo de público.

Ela por sua vez, fazia um diário de bordo contando diversas histórias durante o período do projeto. E que histórias!

São histórias reais de crianças com corações quebrados, que não sabiam que os livros poderiam levar a um outro mundo, o mundo da imaginação. E ver o quão valoroso foi esse projeto e o resultado dele, é maravilhoso!

Por isso acho tão importante o incentivo desde a infância, já que os livros te levam para um universo paralelo em que você possa se conhecer e entender o mundo do jeito deles, do jeito de criança.

6.- O Brasil possui uma ampla rede de bibliotecas e centros culturais? Acredito que sim, se pensarmos que existem vários modelos de bibliotecas (universitárias, escolares, comunitárias, pública da cidade e do estado), além dos Centros Culturais. Por exemplo, aqui [Florianópolis] existe pelo menos uma biblioteca municipal, uma estadual, um centro integrado de cultura – CIC, além de museus e outros espaços abertos.

Mas ainda existem regiões do Brasil sem esse acesso e que necessitam de espaços como esse para expor o que o municipio tem de melhor no contexto cultural, já que retrata o conteúdo histórico do local.

Por fim, trabalhar com projetos que tem objetivo de preservar o conteúdo histórico e cultural é o que motiva a cada dia.

7.- Quais são os principais problemas encontrados na realização de um projeto e que tudo vai bem? Boa pergunta, os problemas variam de projeto pra projeto.. Porém acredito que a captação de recursos, ou seja, a identificação do Incentivador com o projeto ainda é um dos grandes “problemas” que pode prejudicar o andamento do projeto. Já que sem dinheiro não tem projeto.

Outro problema encontrado, talvez seja a contratação de prestadores de serviço do projeto, porque existem alguns critérios importantes e que devem tomar um pouco mais de atenção no ato de contratar um fornecedor e dependendo da região, não existe profissional qualificado e tem que buscar fora da cidade, o que requer um custo um custo maior do que o esperado.

Como por exemplo, em um dos nossos projetos a dificuldade de contratar uma empresa que pudesse comprar móveis para um Centro de Cultura foi enorme, e tivemos que contratar empresas de fora da cidade para ter a mobília do espaço cultural, ou seja, tivemos o custo de frete gerando um custo maior.

Mesmo com esses problemas, nenhum dos projetos deixou de ser executados. Todos deixou de realizar as atividades, pelo contrário, se esforçou mais ainda que a cidade tivesse um acesso democrático.

8.- O que você acha do tratamento dado à cultura no mundo e às bibliotecas? Confesso que não sei, mas tenho muita vontade de conhecer bibliotecas e outros espaços culturais fora do Brasil. Tive a oportunidade de ir a Portugal e visitei algumas bibliotecas e outros equipamentos culturais e fiquei encantada!

Quero poder conhecer outros locais e me inspirar, ter ideias e poder compartilhar através de nossos projetos.

9.- Você gosta de ler? Que livro você está lendo atualmente? Adoro ler, teve até um período que eu colocava uma meta mensal de ler 2 a 4 livros por mês. Hoje, devido a carga de trabalho e leituras acadêmicas tento pelo menos ler um livro por mês..

No momento, estou lendo as primeiras páginas de um livro chamado “Minha terra mora em mim” da autora Bruna Kadletz que retrata o drama vivenciado por imigrantes que conheceu em alguns países. Está sendo emocionante!

10.- O que você acha do Alquibla www.alquiblaweb.com como uma página de divulgação da cultura? Adorei a ideia e acho super necessário! É sempre bom compartilhar histórias, resenhas e outras informações com o propósito de trocar experiências, firmar possíveis parceiras e ver como é disseminado a cultura em outros locais com colegas da mesma profissão!

Eva, fico a disposição para quaisquer dúvidas e desde agradeço o convite! 🙂

Abraços,

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

A %d blogueros les gusta esto: